Páginas

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Boa preparação para o sacerdócio: receitas do Papa

Maturidade, estudo, intimidade com Deus e pertença eclesial


          CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 18 de outubro de 2010 (ZENIT.org) - O sacerdote católico "existe para levar Deus aos homens" e, antes de tudo, deve ser um "homem de Deus": assim exorta o Papa Bento XVI aos seminaristas, em sua carta, divulgada aos aspirantes ao sacerdócio do mundo inteiro.
          Nesta mensagem, na qual recorda seus anos no seminário, o Papa exorta os seminaristas a aproveitarem bem seu tempo de formação, mediante o estudo da teologia e o crescimento pessoal e espiritual. Entre as "receitas" que o Papa oferece aos seminaristas, ele sublinha a importância da vida sacramental, da integração na Igreja, do estudo da teologia e do direito canônico, da maturidade e da compreensão e vivência serena do celibato.

 Oração

          Antes de tudo, afirma, um seminarista deve "aprender a viver em contato permanente com Deus", deve "orar em todo momento".
Não se trata de "recitar orações continuamente", mas de "não perder jamais o trato interior com Deus", que é o sentido da oração.
          "Por isso, é importante que o dia comece e acabe com a oração; que escutemos Deus na leitura da Sagrada Escritura; que Lhe digamos os nossos desejos e as nossas esperanças, as nossas alegrias e sofrimentos, os nossos erros e o nosso agradecimento por cada coisa bela e boa, e que deste modo sempre O tenhamos diante dos nossos olhos como ponto de referência da nossa vida."

Eucaristia e confissão
          Mas Deus, afirma o Papa, "não é somente uma palavra. Nos sacramentos, Ele se entrega a nós em pessoa, por meio de realidades corporais".
         Por isso, continua, é necessário que a Eucaristia seja "o centro da nossa relação com Deus e da configuração da nossa vida (...); celebrá-la com íntima participação e assim encontrar Cristo em pessoa deve ser o centro de todas as nossas jornadas".
          Para celebrar bem a Eucaristia, acrescenta o Papa, "é necessário aprendermos também a conhecer, compreender e amar a liturgia da Igreja na sua forma concreta. Na liturgia, rezamos com os fiéis de todos os séculos; passado, presente e futuro encontram-se num único grande coro de oração".
          "A partir do meu próprio caminho, posso afirmar que é entusiasmante aprender a compreender pouco a pouco como tudo isto foi crescendo, quanta experiência de fé há na estrutura da liturgia da Missa, quantas gerações a formaram rezando."
          Bento XVI sublinha também a importância da confissão no itinerário de um futuro sacerdote: "Ensina a olhar-me do ponto de vista de Deus e obriga-me a ser honesto comigo mesmo; leva-me à humildade".
"Embora tenhamos de lutar continuamente contra os mesmos erros, é importante opor-se ao embrutecimento da alma, à indiferença que se resigna com o facto de sermos feitos assim."
          O importante, segundo o Papa, é "continuar a caminhar, sem cair em escrúpulos mas também sem cair na indiferença, que já não me faria lutar pela santidade e o aperfeiçoamento. E, deixando-me perdoar, aprendo também a perdoar aos outros; reconhecendo a minha miséria, também me torno mais tolerante e compreensivo com as fraquezas do próximo".

Amar a teologia
          O tempo no seminário é sobretudo tempo de estudo, recorda o Papa: "Uma das principais tarefas dos anos no seminário é capacitar-vos para dar razões da vossa fé".
          "Tudo o que vos peço insistentemente é isto: Estudai com empenho! Fazei render os anos do estudo! Não vos arrependereis", exorta.
          O Papa reconhece que, "muitas vezes, as matérias de estudo parecem muito distantes da prática da vida cristã e do serviço pastoral"; porém, "não se trata apenas de aprender as coisas evidentemente úteis, mas de conhecer e compreender a estrutura interna da fé na sua totalidade".
          Somente assim a fé se torna "resposta às questões dos homens, os quais, do ponto de vista exterior, mudam de geração em geração e todavia, no fundo, permanecem os mesmos".
          Sublinha também a importância de "conhecer profundamente a Sagrada Escritura em sua totalidade, em sua unidade entre Antigo e Novo Testamentos", assim como "conhecer os Padres e os grandes concílios" e "as questões essenciais da teologia moral e da doutrina social da Igreja".
          Também é importante "a teologia ecumênica, conhecer as várias comunidade cristãs, é evidente; e o mesmo se diga da necessidade duma orientação fundamental sobre as grandes religiões e, não menos importante, sobre a filosofia: a compreensão daquele indagar e questionar humano ao qual a fé quer dar resposta".
          E finalmente, explica o Papa, é importante "amar o direito canônico na sua necessidade intrínseca e nas formas da sua aplicação prática: uma sociedade sem direito seria uma sociedade desprovida de direitos. O direito é condição do amor".

    Maturidade

          Outro dos aspectos aos quais o Papa dá grande importância é a maturidade e o equilíbrio pessoal, especialmente quanto à vivência do celibato, à integração da sexualidade na própria personalidade.
A sexualidade, afirma Bento XVI, "é um dom do Criador, mas também uma função que tem a ver com o desenvolvimento do próprio ser humano. Quando não é integrada na pessoa, a sexualidade torna-se banal e ao mesmo tempo destrutiva".
          Recordando os recentes escândalos de abusos de menores por parte de membros do clero, o Papa afirma que estes fatos, "que há que reprovar profundamente, não podem desacreditar a missão sacerdotal, que permanece grande e pura".
         "Graças a Deus, todos conhecemos sacerdotes convincentes, plasmados pela sua fé, que testemunham que, neste estado e precisamente na vida celibatária, é possível chegar a uma humanidade autêntica, pura e madura", acrescenta, recordando a importância de "tornar-nos mais vigilantes e solícitos, levando precisamente a interrogarmo-nos cuidadosamente a nós mesmos diante de Deus ao longo do caminho rumo ao sacerdócio, para compreender se este constitui a sua vontade para mim".
         O sacerdote, "que terá de acompanhar os outros ao longo do caminho da vida e até às portas da morte, é importante que ele mesmo tenha posto em justo equilíbrio coração e intelecto, razão e sentimento, corpo e alma, e que seja humanamente íntegro".

Sentido de Igreja e Espiritualidade


           O seminarista, que frequentemente, nos últimos tempos, procede de âmbitos diversos e às vezes dos novos movimentos e carismas, deve ser, antes de tudo, "homem de Igreja", acima de particularismos, sublinha o Papa.
           "Os movimentos são uma realidade magnífica; sabeis quanto os aprecio e amo como dom do Espírito Santo à Igreja. Mas devem ser avaliados segundo o modo como todos se abrem à realidade católica comum, à vida da única e comum Igreja de Cristo que permanece uma só em toda a sua variedade", afirma.
          "O seminário - recorda - é o período em que aprendeis um com o outro e um do outro. Na convivência, por vezes talvez difícil, deveis aprender a generosidade e a tolerância não só suportando-vos mutuamente, mas também enriquecendo-vos um ao outro."
           "Esta escola da tolerância, antes do aceitar-se e compreender-se na unidade do Corpo de Cristo, faz parte dos elementos importantes dos anos de seminário."

         Bento XVI afirma também, por último, que não se deve desprezar a piedade popular; "é certo que a piedade popular tende para a irracionalidade e, às vezes, talvez mesmo para a exterioridade. No entanto, excluí-la, é completamente errado".
         "Através dela, a fé entrou no coração dos homens, tornou-se parte dos seus sentimentos, dos seus costumes, do seu sentir e viver comum. Por isso a piedade popular é um grande patrimônio da Igreja. A fé fez-se carne e sangue", explica o Papa. "Seguramente a piedade popular deve ser sempre purificada, referida ao centro, mas merece a nossa estima", conclui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário