Páginas

sábado, 20 de novembro de 2010

DNJ 25 ANOS

Comemoração DNJ em Tarrafas-Forania V

           
            O termo juventude remete para nós o sentido de força, coragem e vontade de crescer em marcha por uma sociedade justa fraterna e livre dos laços da violência.
         Trazemos nesse dia, o despertar de jovens que querem amar mais e melhor, jovens que querem lutar contra o preconceito, a marginalidade, a violência, a morte, e principalmente lutar pelo amor ao próximo.
          Juventude que tem cara de seguir em frente e lutar pelos seus interesses e deveres, que somos chamados por uma religião católica, para testemunhar o Deus da vida, que quer de nós, uma resposta generosa: jovens sarados, livres para amar e dar testemunho da vida.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Ser santo é ser humano


Muitos pensam que para ser santo é necessário deixar de ser gente 
 
Santificar-se é descobrir que o projeto de santidade ocorre com a ajuda do Espírito Santo, que move as diferentes pessoas nos diferentes tempos e faz uma obra maravilhosa. Move-nos em um movimento de felicidade. Porque ser santo é ser feliz.
A santidade é feita de momentos, do agora, de oportunidades, de encontros. Ao ler este artigo, você estará traçando um projeto de felicidade, pois poderia estar agora envolvido em outras mil e um coisas, mas está aqui diante desta página confrontando-se com estas palavras.

Santidade


"Santos sereis, porque eu, o Senhor, sou santo" (Levítico 19:2; 1 Pedro 1:16)



          Nós Somos chamados por Deus para a santidade continuamente, Paulo muito nos alertou nas suas cartas tão belas e que sempre nos orientam e nos mostram a revelação divina  (1 Tes 4,3) (Rm 1,7).
          A santidade é uma virtude a que todo cristão é convidado, nela se encerra a totalidade do ser verdadeiramente cristão,é vocação porque somos chamados,e chamado é vocação, logo a vida é uma eterna vocação. (2 Tm 1,9) Deus nos chama !!!
          Busquemos sem cessar a face de Deus,aspirando sempre as coisas do alto e procurando abandonar o homem velho que foi crucificado com cristo e nascer a cada instante para Deus buscando sempre alcançar a santidade,amando as leis de Deus e aquilo que ele ordena para alcançar aquilo que ele nos promete !
          

Qual é a fonte da "santidade"?


          
          Deus disse aos israelitas, "Eu sou o Senhor vosso Deus; portanto vós vos consagrareis, e sereis santos, porque eu sou santo" (Levítico 11:44). Santidade não é um atributo de Deus, mas sua natureza essencial (Espírito Santo). Santidade se refere a Deus e ou aquilo feito santo por ele e portanto nenhuma santidade existe fora dele.
.         Somente Deus tem poder e autoridade para tornar santos e purificar coisas contaminadas pela impureza. Portanto, toda santidade vem de Deus. Por isso peça a ele, fonte de todo bem, peça a Deus que nos ajude e ensine a aspirar somente as coisas do céu, peça que nos ensine a ter santidade,porque é dele que procede toda a santidade
          Fomos criados para luzir para o mundo a santidade de Deus. Este era a principal finalidade do homem, a verdadeira razão para sua existência"2. O sábio Rei Salomão escreveu, "Eis o que tão-somente achei: que Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias" (Eclesiastes 7:29). Fomos criados à sua imagem, mas onde estamos agora? A citação de Pedro ainda permanece verdadeira como afirmação. Somos separados em Cristo. Mas como mandamento, podemos dizer que seguimos tudo isso estritamente? Examinemos nossas vidas e vejamos se espelhamos a santidade de Deus.
 

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A oração

A Importância da oração

A oração é a respiração da alma, a íntima ligação com o seu Criador e Salvador...
A oração liga-nos de facto Àquele que é a nossa Fonte
À semelhança da planta que precisa de água e de adubo para poder crescer e desenvolver-se, a vida divina derramada na nossa alma no momento do baptismo não pode crescer e desenvolver-se até atingir a sua maturidade própria e única (quer dizer "a plenitude da idade de Cristo" que corresponde a cada um de nós), sem o pão dos sacramentos e... a água da oração ! Assim, qualquer que seja o nosso estado de vida (laicos ou consagrados) e as nossas ocupações pessoais, profissionais ou públicas, a atitude interior do recolhimento perante Deus é a primeira atitude orante, aquela que de facto nos liga Àquele que é a nossa Fonte, a Fonte de toda a vida.

Quanto às diversas formas de oração, elas variam com a própria variedade das nossas almas no seu diálogo íntimo com o Senhor. Não obstante, a oração pessoal não substitui nem suprime a oração dos diferentes ofícios litúrgicos (oração oficial da Igreja), nem as importantes orações tradicionais da Igreja (entre outras a oração que o próprio Jesus nos ensinou, o « Pai Nosso » ou a saudação angélica a Maria, a « Ave Maria », orações fundamentais do cristão) nem tão pouco a oração de grupo (de intercessão por exemplo).




« Pedi e recebereis »
Por outro lado alguns pensam  - muito injustamente - que se a oração de louvor é positiva, a oração de intercessão o seria menos pois não se pode mudar o Coração de Deus que conhece as nossas necesidades melhor que nós... Na verdade, não mudamos o Coração de Deus quando oramos, mas...  ao contrário, é Deus que muda o nosso e o daqueles pelos quais oramos... É precisamente por isso que Cristo insiste tanto no Evangelho :
« Pedi e recebereis »;
« Batei, e hão-de abrir-vos »;
« Procurai e encontrareis »
(Mt 7,7)

Pois se a oração não muda o Coração de Deus, sem a nossa oração a porta da nossa alma permanece fechada e o poder de Deus não pode entrar nela por arrombamento.





 “Se rezamos mal, ou se não rezamos bastante, somos responsáveis por todo o bem que poderíamos ter feito e que não fizemos”. O cristão deve se tornar uma verdadeira e viva oração, pois esta não se resume nas preces feitas, mas deve envolver todos os gestos e ações. São Paulo foi claro: “Quer comais, quer bebais, fazei tudo para honra e glória de Deus” (1 Cor 10,31).
É preciso realizar todas as tarefas em espírito de oração. Deste modo, a oração cristã se estende pelo universo todo numa sinfonia coletiva para o louvor ao Ser Supremo. Trata-se da globalização da oração. O que se esquece muitas vezes é que a prece individual é uma parcela do todo eclesial. Membros do Corpo Místico de Cristo é em Jesus, por Jesus, com Jesus que o batizado ora, unido assim a toda a Igreja orante. Cristo é a Oração substancial e nele as preces de cada um têm um valor maravilhoso.


Por tudo isto a oração de quem reza deve ser um olhar para a complacência divina. Então as orações não se transformam num nevoeiro de uma recitação fastidiosa. Deixar que o olhar de Jesus penetre as profundezas do ser e acatar o que ele vai pedir seja corrigido e o fazer imediatamente. O fervor do desejo de agradar a Deus é o cerne da prece bem feita. Santa Ângela de Foligno ensinava: “Nossas orações devem ser clamores interiores, violentos, potentes, repetidos que arrancam à força as graças das entranhas do Pai Celeste”. Além disto orar não é apenas pedir, invocar auxílio, é contemplar. Contemplar é vir a ser um outro Cristo, pois a prece verdadeira é transformante. Disto tudo resulta também a espontaneidade com que, nas preces individuais, se deve dirigir a Deus. O próprio Espírito Santo inspira o modo certo de se falar com o Onipotente. Além disto,  oração não pode ser um ato apressado, corrido, desatento, dado que é uma homenagem e não um insulto. Para isto se faz indispensável o Dom da Sabedoria que leva a degustar a união com Aquele “no qual existimos, nos movemos e somos” (Atos 17,28). Deste modo, a oração fica impregnada de franqueza e toda insinceridade é alijada, uma vez que o formalismo e toda e qualquer artificialidade são banidos.

 

"Nada te pertubes nada te espante tudo passa !
Só Deus não muda ! ...A paciencia tudo alcança..
Quem a Deus tem nada lhe falta .. só Deus Basta"

Sta Teresa de Jesus